Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Plano Nacional de Cinema ESJP

Plano Nacional de Cinema ESJP

02 Out, 2020

SOLIDÃO

Captura de Ecrã (13).png

"Solidão" retrata o nosso quotidiano alienado pela tecnologia. Nunca foi tão fácil a comunicação e nunca se comunicou tão pouco. Deixámos de reparar nos sorrisos dos outros.

Ironia das coisas... este vídeo é feito com o recurso ao telemóvel. Não dá que pensar? Será o uso da tecnologia errado? Não será antes o seu abuso completamente compulsivo e desregrado?

Realização: Bruno Costa - Escola Secundária Santa Maria Maior (2019)

02 Out, 2020

ANA MONSTRO

Captura de Ecrã (12).png

"Ana Monstro" foi a curta metragem vencedora da primeira edição do prémio EM Curtas (2013), que teve como objectivo premiar projectos de alunos do cinema e audiovisual para divulgar a esclerose múltipla.

A esclerose múltipla manifesta-se em jovens adultos, entre os 20 e os 40 anos de idade, interferindo com a capacidade do doente em controlar funções como a visão, a locomoção, e o equilíbrio. Cerca de 5 mil portugueses são afetados por esta doença inflamatória crónica do sistema nervoso central.

02 Out, 2020

FRÁGIL

Captura de Ecrã (11).png

Alexandre vive num pequeno apartamento, com o seu gato, e passa por algumas dificuldades porque se encontra desempregado. Mas tudo muda com a chegada de uma misteriosa encomenda "FRÁGIL".

Curta metragem realizada e produzida por:
António Santos
Diogo Texeira
Ricardo Jorge
Sónia Machado
Vanessa Oliveira

Atores:
Ricardo Afonso - Alexandre
Alcina Estimado - D.Fátima
Rapariga - Vanessa Oliveira

Agradecimentos:
Tiago Santos
Margarida Novais
Bombom Café

Instrumental:
Massive Attack - Angel
Thom Mills - Riverside Spaz Drum Solo
Julian Fyson - Mariwan or something
Lorn - Arid

Made in Deca 2016 - Nomeado para melhor Montagem, Som e Efeitos Especiais e Fotografia;
Made in Deca 2016 - Prémio de Melhor Fotografia;

Captura de Ecrã (10).png

A mensagem do futuro

Todos somos mãos, entrelaçadas, contaminando-nos ou mantendo-nos vivos.

Muitas fábricas não fecham e o virus expõe a crueldade da "eficiência" e do lucro. Nos corredores do poder ruge-se a necessidade de mais e maiores sacrifícios. O "crescimento económico" espalha uma núvem de doença e morte crescente. E não conseguimos respirar...

O vírus mudou tudo. Facilmente percebemos que não podemos continuar com os mesmos velhos sistemas inúteis (...)

2020-09-15_IHC-Ano-Morte-Ricardo-Reis_1095x575-102

O filme "O Ano da Morte de Ricardo Reis", uma adaptação da obra de José Saramago para cinema, do realizador João Botelho, tem estreia marcada para 01 de outubro, anunciou hoje a distribuidora. (ler notícia aqui)

Com o ator brasileiro Chico Diaz, na interpretação do papel principal, do heterónimo de Fernando Pessoa (Ricardo Reis), além de Luís Lima Barreto (Fernando Pessoa), Victoria Guerra (Marcenda) e Catarina Wallenstein (Lídia), o filme passa-se em Lisboa, em 1936, ano em que o médico Ricardo Reis regressa do autoexílio de mais de uma década no Brasil.

Na obra original, o Prémio Nobel da Literatura concebe um encontro do já falecido poeta, Fernando Pessoa, com o seu heterónimo, numa altura em que na Europa se afirmam o fascismo de Mussolini, o nazismo de Hitler, o Estado Novo de Salazar, e tem início a guerra civil espanhola

Pág. 4/4